As notícias mais relevantes desta sábado para você formar sua opinião sobre a pauta socioambiental
Se você não consegue ler esta mensagem, acesse https://manchetes.socioambiental.org/ para visualizar em seu navegador
18/05/2020 | Ano 20
As notícias mais relevantes desta sábado para você formar sua opinião sobre a pauta socioambiental
DIRETO DO ISA
Covid-19 se alastra pelas Terras Indígenas do Rio Negro
Dispararam os registros entre povos da região, como os Baniwa, Tukano e Baré; "precisamos de ajuda humanitária para evitar uma tragédia", alertou Marivelton Barroso, presidente da Foirn
Povos do Território Indígena do Xingu lutam contra a Covid-19
Campanha da Associação Terra Indígena Xingu busca apoio para garantir o isolamento social e a saúde dos 16 povos que vivem no território
Alice no país da pandemia
Sem diversidade genética e resistência a uma doença, não bastam “corridas malucas” ou Rainha Vermelha para contê-la. Confira novo artigo da série especial da pesquisadora Nurit Bensusan
COVID -19
Vírus sobe o Rio Amazonas e adoece população indígena
Na remota comunidade amazônica de Betânia, os membros da tribo Tikuna suspeitam que o coronavírus tenha chegado este mês depois que alguns retornaram de uma viagem de barco de duas horas pelo rio Solimões para receber seus pagamentos de benefícios governamentais
Sputnik News, 17/05.
Governo força indígenas a deixarem aldeias para receber auxílio e acelera propagação do coronavírus no AM
Sem alternativas para receber os R$ 600, indígenas são obrigados a ir até as cidades e, na volta, carregam o vírus para as aldeias. Enquanto famílias inteiras são infectadas em regiões sem UTI, os que chegam aos hospitais têm negada sua origem indígena e são registrados como ‘pardos’
Repórter Brasil, 14/05.
Íntegra das respostas para a reportagem sobre covid-19 entre indígenas do Amazonas
Confira os posicionamentos de Ministério da Saúde, Funai, Susam, MPF e Ministério da Defesa. Os posicionamentos são referentes à reportagem Governo força indígenas a deixar aldeias para receber auxílio e acelera propagação do coronavírus no AM
Repórter Brasil, 15/05.
Avanço do novo coronavírus na população indígena é um desastre
Médicos e pesquisadores apontam deficiência no atendimento de saúde e na quarentena, além de subnotificação dos casos. A Apib registra 92 mortes enquanto a Sesai confirma 19, uma disparidade que não reflete a realidade
Amazônia Real, 15/05.
Sesai passa a incluir em boletins casos de Covid-19 entre indígenas de Alter do Chão, no Pará
Atendendo recomendação do Ministério Público Federal, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), através do Distrito Sanitário Especial Indígena Guamá-Tocantins, vai passar a incluir nas estatísticas da pandemia do novo coronavírus os casos ocorridos entre os indígenas de Alter do Chão, em Santarém, no oeste do Pará
G1, 16/05, Santarém e Região.
Rondônia registra três primeiros casos do novo coronavírus entre indígenas
O Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi) de Rondônia confirmou os três primeiros casos do novo coronavírus entre indígenas nesta segunda-feira (18). Conforme o conselho, eles foram infectados ao irem para Porto Velho sacar o auxílio emergencial da Caixa Econômica Federal de R$ 600. Os três indígenas são do povo Karitiana. Eles chegaram a voltar à aldeia, mas uma semana depois sentiram os primeiros sintomas da doença e precisaram retornar para Porto Velho
G1/RO, 18/05.
Indígenas de MS serão removidos de aldeia para evitar mais contaminações pelo novo coronavírus
Cerca de 50 indígenas da reserva de Dourados, a 210 quilômetros de Campo Grande, serão removidos da aldeia para evitar novas contaminações pelo novo coronavírus. São ao menos três casos de covid-19 entre os índios. Esses indígenas, a maioria idosos, vão ficar alojados na Casa de Cursilhos, espaço da Igreja Católica que tem capacidade para cerca de 80 pessoas
G1/MS, 18/05.
Um olhar sobre o vale invisível
"Com a graça de Deus, até agora, pelo menos, a Covid-19 não subiu o Vale do Ribeira e não contaminou nenhum quilombola da região, apesar da sua proximidade de São Paulo, epicentro da epidemia. Envoltos em justas preocupações sanitárias e econômicas, é improvável que os paulistas e paranaenses percebam, justo agora, o precioso Vale que fica ao lado. Mas pode ser que, neste momento, ele permaneça invisível mesmo, pelo menos aos olhos do coronavírus…" Artigo de Márcio Santilli, sócio-fundador do Instituto Socioambiental
Mídia Ninja, 17/05.
AMAZÔNIA
Muito discurso, pouca prática: empresas “verdes” financiam indústria da carne na Amazônia
A certeza vem da compreensão, cada vez mais consensual, de que nenhum esforço será suficiente para conter as mudanças climáticas se os donos do dinheiro continuarem alimentando setores que emitem toneladas de CO2. É o caso das empresas de carne bovina que atuam na Amazônia e que são financiadas por grandes instituições europeias como Deutsche Bank, HSBC, Santander e Credit Suisse. Em 2018, a pecuária foi responsável por 19% das emissões de CO2 do Brasil. Se a conta incluir o desmatamento na Amazônia, onde dois terços das derrubadas são para abertura de pasto, o setor se torna responsável por até 45% da contaminação atmosférica nacional no período
O Eco, 17/05.
REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA
MP 910: ocupação ilegal de terras públicas e a tentativa de regularizar a grilagem
“Embora haja a alegação de que a MP 910 ou eventual projeto beneficiem os pequenos, o que há é a anistia e a convalidação de ocupações ilegais, por grileiros, com a anuência e premiação estatal”, explica o procurador do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro Julio Araujo, em entrevista à IHU On-Line. “Segundo o Tribunal de Contas da União, desde 2009, há uma omissão muito grande dos órgãos de fiscalização na destinação das terras públicas às finalidades constitucionais, como demarcação de territórios de povos e comunidades tradicionais e reforma agrária. Com isso, os grileiros avançam sobre essas áreas e registram declarações em sistemas federais, que não têm valor de titularidade, mas lhes garantem uma aparente chancela estatal na ocupação”, complementa
IHU On-Line, 15/05.
MPF ajuíza ação civil pública contra Funai e Incra por normativa que permite grilagem em terras indígenas
O Ministério Público Federal (MPF) acionou judicialmente a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em razão da ilegalidade, da inconvencionalidade e da inconstitucionalidade da Instrução Normativa n. 09/2020, editada pela Funai em 16 de abril. A normativa representa retrocesso na proteção socioambiental, incentiva grilagem de terras e conflitos fundiários, além de restringir indevidamente o direito dos indígenas às suas terras
MPF, 15/05.
Outras Noticias
Ricardo Salles e a Ética do Ministério do Meio ambiente
PSOL propõe sustar decreto que passa concessão de florestas à pasta da Agricultura
Indígena xavante é diagnosticada com coronavírus em Mato Grosso
Os excluídos 'por engano' do Auxílio Emergencial de R$ 600
Bolsonaro aproveita a quarentena para destruir o meio ambiente
Cidade de São Paulo tem 24 indígenas infectados com Covid-19
Coronavírus avança pelo interior do Amazonas e cria desafio logístico
Desmate na Amazônia aumenta 55% nos primeiros 4 meses de 2020, diz Inpe
“Se vamos salvar o meio ambiente e derrotar futuras pandemias, teremos que fazer isso juntos”, diz Barack Obama a jovens formandos
Greta Thunberg se une à Human Act e UNICEF em campanha para salvar e proteger as crianças vulneráveis durante a crise do coronavírus
Helicópteros, PMs, drones, chuva de agrotóxicos: os ataques contra camponeses em um engenho em Pernambuco
Bolsonarismo, ideologia que divide e mata
Confira as edições anteriores
Junte-se ao ISA
Clique aqui e saiba mais!
Siga-nos
ISA - Instituto Socioambiental · www.socioambiental.org
Cancelar recebimento · Sobre o ISA · Banco de notícias · Acervo · Contato