Se não foi possível visualizar este boletim clique aqui.

Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Agronegócio, Belo Monte, Biodiversidade, Comunidades Tradicionais, Desmatamento, Eleições, Florestas, Imigração, Incêndios, Isolados, Mudanças Climáticas, Povos Indígenas, Quilombolas, Ruralistas, Unidades de Conservação, Recursos Genéticos
Ano 18
20/08/2018

 

 

Direto do ISA

 
  Em 2018, houve um aumento dos índices de desmatamento e invasões em áreas protegidas na área de influência da Usina Hidrelétrica (UHE) Belo Monte, no Pará. Na Terra Indígena (TI) Ituna/Itatá, por exemplo, foram desmatados 756 hectares de floresta apenas em junho. Morada de indígenas isolados, a TI localiza-se a menos de 70 quilômetros do sítio Pimental, principal canteiro de obras de Belo Monte, e a destruição das florestas vem aumentando exponencialmente desde 2011. É ali que deveria ter sido construída um posto de vigilância, o que ainda não aconteceu - Blog do Xingu, 17/8.
   
 

Biodiversidade

 
  Quase um quarto de todos os peixes de água doce do mundo - mais precisamente 23% - estão nos rios brasileiros. Assim como 16% das aves do planeta, 12% dos mamíferos e 15% de todas as espécies de animais e plantas. Esses números estão sendo compilados pela primeira vez por cientistas brasileiros após a publicação do estudo O futuro dos ecossistemas tropicais hiperdiversos, divulgado no final de julho na revista Nature - BBC Brasil, 19/8.
   
 

Florestas

 
  Um levantamento inédito revela que em 33 anos, o Brasil perdeu 71 milhões de hectares de vegetação nativa, equivalente ao tamanho dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul. Lá de cima, os satélites estão de olho na gente. Há mais de 30 anos, um projeto da Nasa, a agência espacial americana, e do Serviço Geológico dos Estados Unidos fotografa cada pedaço do planeta várias vezes ao ano - G1, 18/8, Jornal Nacional.
   
 

Quilombolas

 
  A roça de coivara é a forma que os quilombolas do Vale do Ribeira, no interior de São Paulo, e outras tantas comunidades tradicionais espalhadas pelo país, produzem sua comida. Ela consiste em colocar fogo em um pedaço de mata, que fixa os nutrientes de forma rápida no solo, e permite o cultivo de alimentos sem a necessidade de qualquer outro insumo, como fertilizantes. Apesar de utilizar fogo, esse modo de plantio respeita o tempo de regeneração da floresta. Há 200 anos essa convivência harmoniosa entre pessoas e floresta é parte central do manejo de recursos naturais do Vale do Ribeira, que contribui para a preservação da Mata Atlântica - Revista Galileu, 17/8.
  O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à prefeitura de Barcarena (PA) e à Superintendência do Patrimônio da União no Pará (SPU/PA) que não emitam títulos individuais de terras localizadas em áreas reivindicadas por comunidades quilombolas no município. A recomendação foi encaminhada na manhã desta última sexta-feira (17), após o MPF ter sido alertado por lideranças quilombolas que a prefeitura teria anunciado a realização de evento, no final da tarde, para entrega de 400 títulos individuais de terra definitivos, emitidos a partir de acordo com a SPU/PA - MPF, 17/8.
   
 

Ruralistas

 
  Na última terça-feira (15), o ministro da Justiça, Torquato Jardim recebeu em seu gabinete representantes da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Além de defender a implementação do parecer 001/2017 da Advocacia-Geral da União que adota a tese do marco temporal para demarcação de terras para povos tradicionais, eles pediram a suspensão de todos os processos embasados na Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais (PNPCT), adotada pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva, a partir de 2007 - De olho nos ruralistas, 17/8.
   
 

Imigração

 
  A cidade de Pacaraima viveu uma tarde de tumulto neste sábado, 18. Durante uma manifestação, parte da população agrediu e destruiu acampamentos de venezuelanos que vivem na cidade, que fica na fronteira de Roraima com a Venezuela. Até bombas caseiras teriam sido jogadas em praças e nos abrigos improvisados nas ruas. Alguns venezuelanos também foram expulsos e deixados do outro lado da fronteira. Eles reagiram e uma confusão generalizada foi formada. A revolta começou após um assalto a um dos moradores da cidade, o comerciante Raimundo Nonato de Oliveira, de 55 anos. Ele teve a casa invadida e foi espancado durante um assalto que teria sido praticado por quatro venezuelanos - OESP, 18/8
   
 

Povos Indígenas

 
  Com o maracá, parixara, aleluia, Tukui, proteção sagrada dos ancestrais, dos pajés e a incansável força, resistência e luta, os povos indígenas de Roraima celebraram o dia 9 de agosto, dia alusivo ao Dia Internacional dos Povos Indígenas, com a VII Marcha dos Povos Indígenas realizada nos dias 8 e 9, na Praça do Centro Cívico, em Boa Vista /RR, reunindo aproximadamente dois mil indígenas de várias regiões do Estado para cobrar o cumprimento dos direitos garantidos na Constituição Federal Brasileira de 1988 e na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) - Cimi, 18/8.
   
 

Eleições

 
  Sob pressão constante do agronegócio e de megaprojetos de infraestrutura, a Amazônia teve 6.947 quilômetros quadrados desmatados em 2017. Outros biomas, como o cerrado, também estão ameaçados. O dilema entre desenvolvimento e preservação do meio ambiente colocam essa área como uma das peças-chave da eleição. O Truco – projeto de fact-checking da Agência Pública – analisou cinco frases sobre o tema, ditas pelos cinco presidenciáveis mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto [Marina, Lula, Bolsonaro, Ciro e Alckmin que citaram dados ligados a impactos do agronegócio, produção de energia limpa e baixa emissão de poluentes]. Foram feitas ainda checagens sobre segurança pública, economia, saúde e educação - A Pública, 17/8.
   
 

Comunidades Tradicionais

 
  Desde que assumiu o poder em 2016, Michel Temer cortou drasticamente os programas sociais do Brasil, afetando sobretudo as famílias rurais pobres. Essas medidas de austeridade também afetam negativamente o mundo natural; com um único programa social ligado à sustentabilidade eliminado e com famílias rurais em dificuldades, elas tornam-se menos propensas a proteger e mais propensas a explorar os recursos naturais para atender às necessidades econômicas mínimas - Mongabay, 15/8.
   
 
Imagens Socioambientais
Facebook TwitterInstagram Youtube Medium