As notícias mais relevantes desta domingo para você formar sua opinião sobre a pauta socioambiental
Se você não consegue ler esta mensagem, acesse https://manchetes.socioambiental.org/ para visualizar em seu navegador
05/10/2018 | Ano 18
As notícias mais relevantes desta domingo para você formar sua opinião sobre a pauta socioambiental
DIRETO DO ISA
A quatro dias da eleição, ex-ministro Ayres Britto pede resistência em defesa da democracia
Jurista contesta interpretação ruralista do “marco temporal” que vem dificultando demarcação de Terras Indígenas. Declarações foram dadas em evento sobre 30 anos da Constituição apoiado pelo ISA. O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Ayres Britto pediu que a sociedade resista aos ataques à democracia, à Constituição e aos direitos socioambientais que vêm ocorrendo em meio à crise política
Em dia de festa para o povo Yanomami, magistério Yarapiari certifica 16 novos professores
A escola yanomami é uma das apostas desse povo para a proteção do seu território, uma área de 9 milhões de km² de floresta amazônica preservada. Para isso, o Magistério Yarapiari, curso de formação de professores yanomami, foi construído ao longo de 10 anos e se propõe a valorizar tanto os conhecimentos dos yanomami como os da sociedade que os envolve. O processo escolar se dá nas cinco línguas yanomami e o português é ensinado como língua secundária
Visões de Uttarakhand, Índia II
Em que você pensa quando ouve a palavra “Satiagraha”? Uma operação da polícia federal? Lavagem de dinheiro? Corrupção? Para nós brasileiros, é difícil escutar a palavra Satiagraha e não pensar em outra coisa. Mas Satiagraha, que significa algo como a “firmeza da verdade”, junto com Swaraj, algo como “auto-governo”, e Swadesh, uma espécie de economia local solidária, são os três eixos do Sarvodaya, o “bem-estar de todos”. Esses conceitos, criados por Gandhi, dão o tom do trabalho desenvolvido aqui na Navdanya
Fique sabendo o que aconteceu entre 28 de setembro e 04 de outubro de 2018
A poucos dias do primeiro turno da eleição, um projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados sobre Unidades de Conservação ameaça 17 milhões de hectares de áreas protegidas. No Mato Grosso do Sul, a fiscalização identificou um desmatamento de 90 hectares na Terra Indígena Taunay-Ipégue e um caminhão de madeira roubada da Area Indígena Campo dos Índios. A boa notícia veio do Ministério da Saúde: em 2017, a mortalidade infantil indígena caiu 4,7%, segundo a Sesai. Veja outros destaques da semana que tiveram pouco espaço na mídia
POVOS INDÍGENAS
Painel com gravuras rupestres sagradas para tribos do Xingu é destruído em Mato Grosso
Inspeção do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional constatou a retirada de um painel com gravuras rupestres localizado na Gruta de Kamukuwaká, em Mato Grosso. O sítio arqueológico é tombado pelo Iphan como patrimônio cultural do país desde 2010 e considerado local sagrado por 11 etnias indígenas do Alto Xingu. Paulo Junqueira, do Instituto Socioambiental, critica a falta de proteção das áreas depredadas. Ele coordena a equipe do Território Indígena do Xingu e diz que a intensificação do turismo na região da gruta deixou as gravuras rupestres sagradas ainda mais vulneráveis
Rádio Agência Nacional, 4/10.
Rede de jovens indígenas reúne-se no MS para discutir plano de comunicação
Membros da Rede de Juventude Indígena participaram no fim de setembro (de 26 a 29) da reunião “REJUIND 10 anos: protagonismo e fortalecimento institucional para prosseguir – Aprimorar a comunicação institucional para os 10 anos da Rede”. A iniciativa, apoiada pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), aconteceu na Aldeia Buriti, onde reside o povo Terena, no Mato Grosso do Sul
ONU BR, 4/10.
Eletronorte deve pagar multa por descumprir decisão que afeta a comunidade indígena Krikati
A Eletronorte deverá pagar multa de R$ 500 mil pelo descumprimento do prazo de 6 meses para apresentação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) para a instalação da linha de transmissão de energia elétrica entre os estados do Maranhão e do Pará, tendo em vista a potencialidade lesiva à comunidade indígena Krikati, que habita no local, e ao meio ambiente
MPF, 4/10.
Carta Magna de 88 avançou no reconhecimento de direitos dos povos indígenas
Sonora: Se na prática tivesse todo mundo feito como disse a escrita da Constituição, aí eu creio que hoje os índios estavam melhores. Aos 73 anos de idade, Nailton Pataxó, indígena da região sul da Bahia, relembra com ceticismo um período de lutas em que o cenário era de abertura. Com novos ares após o fim da ditadura militar, na década de 1980, surgia a possibilidade de elaborar leis que respeitassem e contemplassem a diversidade da população brasileira numa nova Constituição. Com os povos indígenas não foi diferente. Desde 1985 começaram a se reunir em assembleias para mostrar aos parlamentares que a Carta Magna deveria garantir a integridade física e cultural dessas populações tradicionais
Rádio Agência Nacional, 4/10.
AMAZÔNIA
Polo naval no AM só pode sair do papel com concordância de povos tradicionais, decide Justiça
A Justiça Federal do Amazonas decretou trânsito em julgado em processo movido pelo Ministério Público Federal no Amazonas e proibiu, em caráter definitivo, a implantação de polo naval no Estado enquanto não houver a realização de consulta prévia, formal, livre e informada aos povos tradicionais da região. Com o fim do processo, prevalece o entendimento expresso em sentença judicial que suspendeu todas as medidas referentes à implantação do empreendimento, proferida em 2016
MPF, 5/10.
QUILOMBOLAS
Quilombola é assassinado em Santarém em área de conflito por terra e água
Na noite do último sábado (29/9), o caseiro do empresário Silvio Tadeu dos Santos e de seu filho, Silvio Tadeu Coimbra dos Santos, assassinou o quilombola Haroldo Betcel, morador do Quilombo Tiningu, no município de Santarém (PA). Relatos apontam que Haroldo já havia discutido com o caseiro por conta de conflitos fundiários na região e das recorrentes ameaças que vinham sendo feitas aos quilombolas
Terra de Direitos, 4/10.
ELEIÇÕES
Bolsonaro quer exploração da Amazônia “em parceria com os Estados Unidos”
Candidato diz que não expropriará terras, nem fará demarcação de terras indígenas; ele quer o Brasil fora do Acordo de Paris e extinguir o ministério do Meio Ambiente. Em entrevistas, Bolsonaro já declarou que não pretende fazer demarcações de terras para indígenas e as comparou a “zoológicos”. Ele fez ainda comentários preconceituosos sobre remanescentes de quilombos, durante palestra no clube Hebraica, no Rio, em abril de 2017
De Olho Nos Ruralistas, 4/10.
Outras Noticias
Não há garantia de proteção ambiental nos ⅔ do território nacional que deveriam ser preservados
Como o discurso da sustentabilidade pode servir à apropriação de terras
Projeto promove vivência com índios em aldeia de Goiás
Mais recursos para revitalizar a região do Velho Chico
Feira de pirarucu sustentável do Médio Solimões acontece nesta sexta (5) em Manaus
Ministros da América Latina e Caribe se reúnem em busca de soluções ambientais para a região
MP pede garantia de policiamento em assentamento criado por Dorothy Stang no Pará
Cientistas alertam para impactos ambientais de fontes renováveis de energia
Sucesso na proteção da Amazônia encobre destruição silenciosa do Cerrado
Bolsonaro planeja acelerar concessões, afirma general
Genoma do pirarucu é desvendado e pode ajudar a conter venda ilegal do bicho
Manter as florestas é a forma mais eficiente de reduzir emissões de carbono, afirmam cientistas
Sistema com radar norueguês vai monitorar Baía contra a poluição ambiental
Promotoria e mineradoras fecham pacto para indenizar vítimas da tragédia de Mariana
Confira as edições anteriores
Junte-se ao ISA
Clique aqui e saiba mais!
Siga-nos
ISA - Instituto Socioambiental · www.socioambiental.org
Cancelar recebimento · Sobre o ISA · Banco de notícias · Acervo · Contato