As notícias mais relevantes desta segunda-feira para você formar sua opinião sobre a pauta socioambiental
Se você não consegue ler esta mensagem, acesse https://manchetes.socioambiental.org/ para visualizar em seu navegador
06/10/2021 | Ano 21
As notícias mais relevantes desta segunda-feira para você formar sua opinião sobre a pauta socioambiental
DIRETO DO ISA
Em Roraima, indígenas Wai Wai conquistam mais autonomia para escoar castanhas
Maquinário adquirido com apoio do mandato da deputada Joênia Wapichana (Rede-RR) vai livrar as comunidades de atravessadores para transportar a produção
No Chile, indígenas enfrentam pressão de mineradoras estrangeiras e herança da ditadura
3ª reportagem da série do ISA sobre mineração em Terras Indígenas mostra violações de direitos em meio à expectativa por mudanças provocada por Constituinte
AMAZÔNIA
Atlas socioambiental aponta retrocessos nos nove países amazônicos
Os assinantes da piauí receberão junto com a edição de outubro um exemplar do atlas “Amazônia Sob Pressão 2020”, da Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg). O atlas é um presente aos assinantes pelos 15 anos da piaui. No Brasil, a Raisg é composta pelo Instituto Socioambiental (ISA) e o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Segundo a análise, os danos à Amazônia crescem a um ritmo acelerado e não há perspectiva de reversão. Um terço do bioma sofre com o avanço da fronteira agropecuária, do desmatamento, do garimpo ilegal, da exploração de petróleo e das obras de infra-estrutura. “Essa realidade preocupante reforça a enorme relevância do papel exercido por Áreas Protegidas, que contribuem para frear a destruição do bioma e manter os ecossistemas em equilíbrio”, afirma o antropólogo Beto Ricardo, sócio-fundador do ISA e coordenador-geral da Raisg
Piauí, 05/10.
POVOS ISOLADOS
Em um mês, queimadas causadas por grileiros destroem 3,5 mil hectares de terra onde 2 indígenas vivem isolados em MT, diz instituto
A Terra Indígena Piripkura, localizada entre Colniza e Rondolândia, no norte de Mato Grosso, é ameaçada por invasores, segundo o Instituto Socioambiental (ISA). Em agosto deste ano, uma área de 3,5 mil hectares, o equivalente a 4,2 mil campos de futebol, foi incendiada por grileiros, de acordo com o painel Alertas+ e o Global Fire Emissions Database. Além disso, em um ano, a região registrou a maior área desmatada. O boletim 'Sirad Isolados', monitoramento independente do ISA, detectou que a TI Piripkura acumulou um total de 2.320 hectares desmatados entre agosto 2020 e julho de 2021, o maior já registrado. Mais de 1,7 milhão de árvores maduras foram derrubadas
g1/MT, 05/10.
POVOS INDÍGENAS
Coletoras de Marãiwatsédé recuperam a floresta
Nem a pandemia de Covid-19 foi capaz de interromper o trabalho das mulheres coletoras de sementes de Marãiwatsédé, na região nordeste de Mato Grosso. Ao longo de 2020, foram coletadas mais de uma tonelada de sementes de caju, jatobá, ipê, pequi, xixá, copaíba e baru. São elas que darão continuidade ao reflorestamento de uma das terras indígenas mais devastadas da Amazônia. E também garantem renda à comunidade. De 1.324 toneladas de sementes, 300 quilos serão destinados à recuperação ambiental do território, que ocorre desde que foi retomado pelos Xavante, em 2013. Latifundiários da soja, da pecuária e outros grileiros invadiram as terras ilegalmente por mais de 20 anos. A maior parte das sementes coletadas será vendida pela Rede de Sementes do Xingu, que conta com cerca de 600 coletoras que moram nas regiões das bacias hidrográficas do Xingu e Araguaia
Amazônia Real, 04/10.
Apib e DPU pedem afastamento do presidente da Funai na Justiça
A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) ingressou, nesta terça-feira (5), no marco dos 33 anos da promulgação da Constituição Federal (CF), com uma Ação Civil Pública (ACP) na Justiça Federal de Brasília (JF-DF) para pedir a saída de Marcelo Xavier da presidência da Funai. O pedido é uma ação inédita da Apib, que pela primeira vez entra com uma ACP na JF. O documento foi elaborado em conjunto com a Defensoria Pública da União (DPU) e denuncia uma série de violações jurídicas e administrativas cometidas por Xavier ao longo de sua gestão. “A permanência de Marcelo Augusto Xavier da Silva na presidência da Funai, semeando a destruição das estruturas estatais de proteção dos direitos indígenas, como se vê em diversos outros órgãos do atual governo, é a falência do Estado Democrático de Direito”, destaca trecho da ACP ingressada na Justiça
APIB, 05/10.
Indígenas não vão abrir mão de territórios se marco temporal passar, diz Sonia Guajajara
Em entrevista à Folha de São Paulo, Guajajara disse que os indígenas não vão abrir mão de suas terras e que retornarão a Brasília nesta terça-feira (5) para pressionar o Supremo Tribunal Federal (STF) a decidir contra o marco temporal. A Apib ainda levará a questão das demarcações a Glasgow, na COP-26, a fim de angariar mais apoio para a causa. A tese debatida no Supremo, não prevista no texto constitucional, cria um novo critério para demarcações: os indígenas que não estivessem em suas terras na data da promulgação da Constituição de 1988 não teriam direito de reivindicar a demarcação da área —o que ignoraria o histórico de expulsões e violência contra os diferentes povos
APIB, 05/10.
Por que veto do STF a missões evangélicas em aldeias revolta conservadores
Barroso determinou que, em razão da pandemia da covid-19, missões religiosas não podem entrar em terras onde estão povos indígenas isolados e de recente contato. O ministro reafirmou os termos de uma decisão tomada por ele no ano passado e ratificada pelo plenário da Corte, que já impedia a entrada de terceiros em áreas com indígenas isolados e determinava a instalação de barreiras sanitárias para evitar o ingresso de pessoas estranhas nesses locais. Não é preciso muito esforço para compreender a razoabilidade da decisão. Até porque, a decisão busca impedir a entrada de novas missões e não compromete ou pede a retirada dos grupos que já estão instalados na aldeia. Mas, por trás de toda indignação dos evangélicos conservadores, há muito pouco interesse nos indígenas. Por Ronilso Pacheco
UOL, 05/10.
TERRAS INDÍGENAS
Terra indígena que mais queima em 2021 enfrenta avanço da pecuária, desmatamento e pesca ilegal
“A gente ouve o presidente Bolsonaro dizer que os indígenas estão tocando fogo na Amazônia. O nosso povo não faz isso. Os invasores é que tocam fogo para limpar a estrada e poderem entrar com mais facilidade. Só que falta apoio do governo para fiscalizar. A gente fica pensando: O que eles querem? Será que querem tomar [a terra] de nós, pouco a pouco?” O relato é de Natanael Karajá, cacique da aldeia Lariwana, na Ilha do Bananal. A Terra Indígena (TI) Parque do Araguaia, onde ele vive, registrou 1358 focos de queimada em 2021. O número coloca a área no topo do ranking do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), com quase 18% de todos os focos de queimada registrados em terras indígenas este ano
Brasil de Fato, 05/10.
CÓDIGO FLORESTAL
Projetos de lei podem aumentar o desmate de áreas de preservação permanente
Propostas permitem desmatamento e obras em cursos de rios e córregos para irrigar lavouras e matar a sede de animais de criação. Mudanças podem aumentar seca já histórica e gerar prejuízos ao país. Conforme análise de entidades civis, os projetos de lei 2.294/2019, 2673/2021 e 2168/2021 ampliam a derrubada de matas e florestas, podem prejudicar a geração de energia e aumentar a escassez e os conflitos pela água, reduzindo o recurso para quem está abaixo dos barramentos. “Esses projetos são retrocessos à proteção da vegetação nativa que não conseguiram passar em 2012. A Bancada Ruralista tramita suas pautas prioritárias em diferentes comissões com textos semelhantes e, muitas vezes, simultaneamente na Câmara e no Senado”, resume Maurício Guetta, consultor jurídico do Instituto Socioambiental (ISA). Isso dificulta o acompanhamento e o debate de projetos por entidades ambientalistas
InfoAmazonia, 06/10.
CAATINGA
Área ocupada pela agricultura na Caatinga cresce 1456% em 36 anos; pastagens têm salto de 48%
As áreas ocupadas pela agricultura na Caatinga se expandiram 1.456% no país no período entre 1985 e 2020, segundo levantamento divulgado nesta quarta-feira (6) pelo MapBiomas. Os pesquisadores apontam aumento de 1,33 milhão de hectares na ocupação da atividade dentro do bioma. Obtidos por monitoramento via satélite, os dados mostram que Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia correspondem a 64,5% da variação verificada. Juntos, os três estados registraram aumento de 1,094 milhão de hectares. Segundo o coordenador da equipe de Caatinga do MapBiomas, Washington Franca Rocha, o sistema de monitoramento detecta basicamente a agricultura de grande porte no país, geralmente mais associada ao latifúndio
Brasil de Fato, 06/10.
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO
PF do Pará deflagra operação contra grupo criminoso que desmatou área do tamanho de 30 mil campos de futebol
A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira (6) a Operação SOS Jamanxim contra uma organização criminosa que teria desmatado de forma ilegal uma área equivalente a 30 mil campos de futebol na região amazônica, sendo que 16 mil hectares foi dentro da Floresta Nacional do Jamanxim, uma unidade de conservação federal em Novo Progresso, sudoeste do Pará. Segundo a Polícia Federal, dados de imagens de satélite do Programa Brasil Mais (Planet) apontam que a organização criminosa desmatou mais de 30 mil hectares, equivalente a 30 mil campos de futebol, sendo que 16 mil foi dentro da Floresta do Jamanxin
g1/PA, 06/10.
GARIMPO
Imã de gente
Crise econômica e 'febre do ouro' fazem garimpo ilegal avançar sobre áreas de preservação no Pará. Ao redor de trecho amazônico da BR-163, tudo é garimpo, madeira e fazenda. O fotógrafo Lucas Landau visitou o sudoeste do Pará e conviveu mais de uma semana com garimpeiros ilegais, que ainda sonham encontrar pepitas gigantes em áreas de floresta nativa
TAB/UOL, 05/10.
URGÊNCIA CLIMÁTICA
“Sem os povos indígenas, tradicionais, quilombolas e ribeirinhos nenhum país evitará o aquecimento global”, alerta Angela Mendes na ONU
Na segunda-feira (4 ), em declaração conjunta de organizações indígenas, indigenistas, ambientalistas e de direitos humanos, Angela Mendes, filha do líder extrativista Chico Mendes, defendeu o reconhecimento do direito ao meio ambiente saudável e a criação de um mandato especial sobre mudanças climáticas e direitos humanos. Angela Mendes deu voz às denúncias de trinta e sete organizações durante a 48ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas
Cimi, 05/10.
Cientistas lançam manifesto por medidas urgentes de bem-estar em meio às mudanças climáticas
A humanidade está em uma encruzilhada, com todas as dimensões da saúde e do bem-estar afetados pela mudança ambiental global. Essa é a visão de pesquisadores que, para pedir ações, criaram a Declaração de São Paulo sobre Saúde Planetária. No documento, apontam, em linhas gerais, o que diversos setores podem fazer para que se alcance um mundo pós-pandêmico mais resiliente e com maior dedicação à preservação e à restauração dos recursos naturais. "Em nossa trajetória atual, nós não podemos mais garantir a proteção da saúde e do bem-estar humanos", dizem os autores na carta, publicada na revista The Lancet na noite desta terça-feira (5)
Yahoo.com, 05/10.;FSP, 05/10, Saúde.
Outras Noticias
Indígenas se reúnem em parlamento para dar visibilidade aos povos originários na política
Casa de reza indígena é destruída por fogo em MS e liderança suspeita de incêndio criminoso; veja o vídeo
Após recomendações do MPF, municípios vacinam ribeirinhos no Pará
Mundano transforma cinzas das queimadas em tinta e homenageia brigadistas com releitura de obra de Portinari
Em Paris, chanceler brasileiro não é recebido por governo francês
Falta de fiscais agropecuários fragiliza inspeção e pode encarecer alimentos ainda mais
Indígenas peruanos ocupam estação de oleoduto da estatal Petroperú na Amazônia
Terra, fogo, ar
Em vitória para governo, Senado aprova projeto do novo Marco Legal das Ferrovias; entenda o que muda
Costurada em plenário, redação final do Marco Legal das Ferrovias deve ser publicada nesta quarta
Confira as edições anteriores
Junte-se ao ISA
Clique aqui e saiba mais!
Siga-nos
ISA - Instituto Socioambiental · www.socioambiental.org
Cancelar recebimento · Sobre o ISA · Banco de notícias · Acervo · Contato