As notícias mais relevantes desta quarta-feira para você formar sua opinião sobre a pauta socioambiental
Se você não consegue ler esta mensagem, acesse https://manchetes.socioambiental.org/ para visualizar em seu navegador
11/09/2018 | Ano 18
As notícias mais relevantes desta quarta-feira para você formar sua opinião sobre a pauta socioambiental
MUSEU NACIONAL
‘‘Falar do Museu Nacional é falar dos povos indígenas, da história do Brasil’’
Perda dos acervos de cultura indígena é quase completa, lamentam o chefe do Departamento de Antropologia, Edmundo Pereira, e o professor de etnologia do Museu Nacional, Antonio Carlos de Souza Lima. Nesta entrevista eles explicam por quê
A Pública, 10/9.
AGROFLORESTA
Os negócios de quem mantém a floresta viva
Poucos agricultores do mundo podem contar com os euros dos Rothschild. Mas no Brasil um projeto de agrofloresta no Vale do Ribeira chamou a atenção no ano passado da dinastia bancária europeia, que por meio de um de seus fundos de private equity fez o primeiro aporte na produção consorciada de palmito, banana, eucalipto e madeiras de lei numa fazenda modelo fincada na Mata Atlântica
Valor Econômico, 10/9, Agronegócios, p.B10.
POVOS INDÍGENAS
Comunidade Guarani Kaiowá busca reverter no STF decisão que anulou demarcação
Em caso emblemático, portaria da Terra Indígena Guyraroka foi anulada em 2014 pela Segunda Turma do STF, com base na tese restritiva do marco temporal e sem jamais ouvir a comunidade
Cimi, 10/9.
TERRAS INDÍGENAS
TRF da 4ª Região atende ao pedido do MPF e fixa prazo para demarcação de Terra Indígena Kairu, em Carazinho (RS)
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) atendeu ao pedido do Ministério Público Federal e determinou, por unanimidade, o prazo máximo de dois anos e meio para que a Funai finalize o processo de demarcação da Terra Indígena Kairu, no município de Carazinho (RS). Também foi determinado que, no caso da tradicionalidade da ocupação não ser reconhecida administrativamente, a Funai constitua reserva no prazo de um ano
MPF, 10/9.
MUDANÇAS CLIMÁTICAS
Indígenas das Américas se unem contra mudanças climáticas
Recuperação de rio e manejo sustentável de florestas são prioridades para povo yurok, maior etnia da Califórnia. Em parceria com líderes da América Latina, eles buscam protagonismo no combate às mudanças climáticas
Deutsche Welle, 10/9.
CERRADO
Cerrado tem 98% de desmate ilegal em Mato Grosso, diz ONG
No Dia do Cerrado, comemorado nesta terça-feira, 11, pesquisa alerta que o cenário no segundo maior bioma do Brasil é mais de preocupação do que de celebração em Mato Grosso. Levantamento do Instituto Centro de Vida (ICV), ONG baseada no Estado, aponta que, apesar de ocupar cerca de 40% da área total do Estado – 360 mil km² –, cerca de 46% do bioma já foi convertido em outros usos. E a perda de vegetação continua subindo, ao contrário do restante do Cerrado. Entre 2014 e 2017, o desmatamento subiu 24% em Mato Grosso, ante queda de 31% no bioma de um modo geral
OESP, 11/9, Metrópole, p.A17.
Existirá futuro para o Brasil sem o Cerrado?
Deitada eternamente em berço esplêndido instalado em uma casa em chamas, a sociedade brasileira parece desconhecer o seu próprio destino. A tragédia, nesse caso, é a incapacidade da sociedade abrir os olhos diante da gravidade do cenário que se desenha. No entanto, a despeito dos absurdos produzidos pela ignorância, pelo desdém com o passado, pela inconsciência sobre o presente e a irresponsabilidade para com o futuro, sempre existirão vozes lutando pelo que é justo, valioso e imprescindível para um país que se diz grande
O Eco, 11/9.
RIO NEGRO
Vazamento de combustível no rio Negro impacta ribeirinhos em Manaus
Há 20 anos, Simão dos Santos, de 57 anos, vive da pesca usando uma canoa que percorre os igapós da floresta alagada pelas águas do igarapé Mauazinho, um braço do rio Negro, na zona leste de Manaus. Na região, ele tirava até 200 peixes num só dia. Apesar de estarmos no mês setembro, período da fartura do pescado, o barco do pescador está vazio. Com o vazamento do óleo combustível, desapareceram das águas dos igapós espécies de peixes como jaraquis e curimatãs, entre outras. Animais domésticos dos ribeirinhos, como patos e galinhas, também foram atingidos pelo óleo
Amazônia Real, 6/9.
ELEIÇÕES
Profissionais da violência
"A reação de Mourão, o vice “faca na caveira” de Bolsonaro, aponta como o Brasil será governado em caso de vitória da chapa de extrema direita. As declarações contra as mulheres, contra os negros, contra os indígenas e contra os LGBTs também são um exercício da violência que revela uma visão de mundo e a fortalece entre aqueles que dela comungam", artigo de Eliane Brum
El País, 11/9.
Outras Noticias
O Brasil pré-Cabral vira pó: pistas sobre nossos primeiros povos se perderam em incêndio do Museu Nacional
Exposição da cultura indígena salva peças de fogo no Museu Nacional
Foco de incêndio atinge o Parque Estadual Serra Azul (MT) e atração turística é fechada
Fogo em Boqueirão da Onça está controlado
Chevron segue impune por crime ambiental na Amazônia
Deputado que exporta eucalipto é quem defende lei para relaxar licenciamento de eucalipto
Não falta dinheiro para agricultura de impacto
Gigantes globais tentam se livrar do plástico
Confira as edições anteriores
Junte-se ao ISA
Clique aqui e saiba mais!
Siga-nos
ISA - Instituto Socioambiental · www.socioambiental.org
Cancelar recebimento · Sobre o ISA · Banco de notícias · Acervo · Contato